História da Escola

O Sesc iniciou em 2008 um projeto pioneiro na área de educação.
A ESCOLA SESC DE ENSINO MÉDIO: UM SONHO POSSÍVEL

Em fevereiro de 2008 a Escola Sesc de Ensino Médio, no Rio de Janeiro, abria suas portas para uma turma de jovens e entusiasmados moradores, vindos dos diferentes estados do país.

historia_escola_04
historia_escola_06historia_escola_08historia_escola_10  

Eram adolescentes, com idades entre 13 e 16 anos, contemplados com a oportunidade de inaugurar uma experiência inovadora no cenário da educação no Brasil: ensino médio em tempo integral, em escola-residência, com excelência de qualidade.
A realização deste projeto pioneiro partiu da iniciativa de Antonio Oliveira Santos, presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo – CNC e do Conselho Nacional do Serviço Social do Comércio – SESC, que reconheceu na construção de uma comunidade educativa a possibilidade de formar jovens sob o signo da diversidade, preparando-os para o mundo do trabalho e para o exercício da liderança e da cidadania.

Seu objetivo declarado era: “Incluir jovens brasileiros na sociedade do conhecimento, com ênfase na educação para a vida”. O projeto acompanha a diretriz institucional do SESC – entidade mantenedora da Escola através do seu Departamento Nacional – que, desde a sua fundação, em 1946, privilegia a ação educativa atendendo comerciários e trabalhadores do setor terciário e seus dependentes, e membros da sociedade em geral.
Para desenvolver estudos de implementação da Escola SESC de Ensino Médio, o Presidente da Confederação Nacional do Comércio, Antonio Oliveira Santos cria, em 2002, um Grupo de Trabalho do qual fazem parte: Ernane Galvêas, Consultor Econômico da Presidência da CNC, Arnaldo Niskier, Consultor da Presidência da CNC, Albucacis de Castro Pereira, então Diretor-Geral do Departamento Nacional do SESC, Claudia Fadel, então Assessora da Presidência da CNC, e Lenoura Schmidt, Chefe de Gabinete da Presidência da CNC.

Ao longo de 2002, o Grupo de Trabalho realizou visitas técnicas a escolas de ensino médio do país, com o objetivo de pesquisar modelos de funcionamento que ajudassem a definir a identidade da nova escola.

Ainda em 2002, o Grupo de Trabalho iniciou viagens ao exterior para análise das condições em que o ensino médio é oferecido em países que primam pela excelência neste segmento. O primeiro destino são as high schools americanas, escolas-residência de tradição reconhecida, principalmente na formação de líderes.
A equipe visitou a Suffield Academy, em Connecticut, e a Williston Northampton School e Deerfield Academy, em Massachussetts. O grupo voltou a Suffield ainda outras vezes, sempre com a atenção do professor David Holmes, diretor da escola por treze anos e atual consultor da Escola SESC.

Em 2003 o destino foi Cuba, onde todas as escolas de ensino médio funcionam em tempo integral. As experiências internacionais influenciaram a escolha do projeto arquitetônico e a definição das diretrizes pedagógicas da nova escola.

O PROJETO ARQUITETÔNICO

A escolha do projeto arquitetônico se deu através de um concurso realizado em fevereiro de 2004, do qual participaram cinco grandes escritórios de arquitetura, indicados pela Gerência de Arquitetura e Engenharia do SESC. Para a análise dos projetos foi nomeada uma comissão especial e multidisciplinar composta principalmente por funcionários do SESC das áreas de arquitetura, educação e administração.
Os trabalhos deveriam contemplar um programa elaborado pela FGV, em parceria com o Grupo de Trabalho, e atender à filosofia e à missão da Escola. Foi eleito o projeto assinado pelo arquiteto Índio da Costa, que se desdobra num campus horizontal, facilitando a integração da comunidade escolar e a multidisciplinaridade.
Especial atenção foi dedicada ao meio ambiente e à ecologia. A instalação de calhas garante o aproveitamento das águas pluviais; os pisos dos corredores são feitos com plástico reciclado; os telhados das instalações receberam uma vegetação rasteira para amenizar a temperatura no seu interior; a coleta de lixo é seletiva e o esgoto sanitário totalmente tratado. O complexo arquitetônico tem 59.000 m2 de área construída.